Abrigo de Humboe

Detalhe de abrigo

CONSTRUÇÃO
Em 1996, Kalohan, Lucas da Conceição, destacado elemento de confiança da Frente Clandestina na zona, recebeu orientações directas do Comando da Luta, Konis, e do Secretário da Região IV, Somotxo, para proceder à construção dum abrigo subterrâneo na sua residência, o último em Ermera, que funcionaria como último recurso para os líderes caso operações das forças militares indonésias pusessem em perigo os outros já construídos.
“Os líderes sabiam quem eu era, quando chamavam de dia, eu estava pronto, quando chamavam de noite, eu estava pronto, como servidor, então recebi uma ordem do Comando da Luta, disseram-me que eu tinha de fazer um abrigo do Comando aqui na minha residência”, refere Kalohan.
Iniciados a sua construção a 18 de Março de 1996, como precisa, foram necessários apenas quatro a cinco dias para a sua conclusão, trabalhando 24 horas.
Antes foi feito um juramento tradicional, “chamados os Kultura Na’in sira (tradução à letra, os donos da cultura) para fecharem todos os caminho” (pedir a protecção divina, de Deus – Maromak, e dos espíritos dos antepassados, Matebian) e podermos então começar os trabalhos.” 
As crianças que desempenharam um papel importantíssimo na Luta, sobretudo como elos de ligação e vigilantes/seguranças dos movimentos do inimigo, aqui também não fugiu à regra, como recorda Kalohan. “Mandámos os miúdos montarem a segurança e quando já estava a segurança montada, começámos a escavar, mas deixámos a terra lá dentro, não a tirámos”
Explica qual o esquema montado para que não fossem descobertos pelo inimigo: “Fechámos a casa toda à chave para que, quando o inimigo viesse, dissessem que o dono tinha ido para Díli e, por isso, não podiam abrir. Só de noite é que abríamos a porta para tirarmos a terra, mas levávamos logo a terra para a ribeira. Durante toda a noite tirávamos terra, porque esta terra nova não podia aqui ficar, se não algum dos inimigos poderia vir a saber e perguntar de onde vinha aquela terra, o que estão a fazer ali dentro. Então, naquele momento, conseguimos cumprir, concordámos todos entre nós, entre os vizinhos, a família. Por isso, em quatro dias, a caminho dos cinco, conseguimos acabar, sem que nada acontecesse. Como não aconteceu nada, conseguimos terminar. Começámos a chamarmo-nos uns aos outros, matámos porco, galo, fizemos de acordo com a tradição. Comemos juntos para fecharmos tudo de acordo com a nossa cultura de Timor Leste.”
Trata-se de uma construção secreta semelhante ao modelo de Mirtuto. Foi construído por baixo da sala, com entrada pela casa de banho, tendo sido escavado um pequeno túnel para a entrada de ar.
Foi apenas utilizado por guerrilheiros que estavam de passagem, nunca tendo sido utilizado pelo Comando da Luta.
BIOGRAFIA
Lucas da Conceição Salsinha, nome de código Kalohan, dono da casa onde foi escavado o abrigo subterrâneo de Humboe, nasceu em Abril de 1972.
Entrou para a escola primária em 1989, tendo terminado em 1992. Seguiu-se a pré-secundária, de 1992 a 1995. Os estudo secundários foram interrompidos após o primeiro ano de frequência, devido ao seu envolvimento nas actividades clandestinas.
De profissão comerciante de café – comprava e revendia – ao longo do período da Resistência às forças militares indonésias, exerceu intensa actividade clandestina, que iniciou em 1989 aquando da visita o Papa. Para além de ter trabalhado como Estafeta do Comandante Dudo, mais tarde trabalhou de perto com Konis e Somotxo, a partir de 1994. Na Sub-Região 7 de Dezembro assumiu o cargo de Vice-presidente da Juventude, como o próprio recorda, sob a orientação de Paulino Monteiro, Mau Bili.
FICHA TÉCNICA 
Ano de construção: 1996
Local: Humboe, Ermera. Situado na casa de Lucas da Conceição Salsinha, Kalohan Moruk.
Construtores: Lucas da Conceição Salsinha; Mane Mesak; Iku; Sakunar, Hakiak, e alguns vizinhos de confiança.
Utilizadores: Dudu, Ular, Deker, Tatamailau, Tara,  Sirux
Reabilitação: 2016, financiado pelo Estado da RDTL através do orçamento do AMRT. Implementado pelo AMRT.  Reabilitação incluiu reforço estrutural do abrigo, reabilitação do interior de acordo com original, e construção de instalações sanitárias de apoio .

Voltar