Exposição Temporária

Salvaguarda da Memória Histórica

No dia 7 de Dezembro de 2005, assinalando o 30.º aniversário da invasão de Timor-Leste pelas forças militares indonésias, foi inaugurado em Díli o Arquivo & Museu da Resistência Timorense, com a realização duma exposição que pretende transmitir uma breve panorâmica sobre as principais vertentes do conflito armado de 24 anos, causado pela invasão e ocupação militar das forças indonésias.
Para além dos painéis expositivos, com o apoio das F-FDTL, (Falintil – Forças de Defesa de Timor-Leste) foi possível expor um significativo conjunto de armamento usado pela Resistência durante os 24 do conflito, que se encontrava à sua guarda no paiol em Metinaro, bem como aparelhos de comunicação e objectos.
A iniciativa reuniu centenas de pessoas, contando com a presença de representantes de todos os órgãos de soberania de Timor-Leste, membros do governo, deputados, representantes do Corpo Diplomático, antigos guerrilheiros, veteranos da Resistência e populares.
A cerimónia contou com discursos inaugurais do Professor Doutor José Mattoso, do Administrador do Arquivo da Fundação Mário Soares, do Primeiro-Ministro, Dr. Mari Alkatiri, e do Presidente da República, Senhor Kay Rala Xanana Gusmão, após o que foi descerrada a placa do Arquivo & Museu e assinado o auto de inauguração.
Considerando o relevante interesse público do projecto do Arquivo & Museu da Resistência, o Governo timorense assumiu, pela voz do Primeiro-Ministro, a responsabilidade de adoptar as medidas necessárias ao seu funcionamento regular, sem prejuízo dos apoios que fossem assumidos por outras entidades, nacionais e internacionais.
A abertura em Dili, no dia 7 de Dezembro de 2005, do Arquivo & Museu da Resistência Timorense representou a concretização de um projecto da maior relevância para a preservação da memória da heróica luta do povo de Timor-Leste pela autodeterminação da sua Pátria.
Nesta data procedeu-se à inauguração de parte do edifício,  cerca de 500 m2 da área edificada, de cerca de 1325 m2, a que acrescem 1200 m2 de área ajardinada circundante.´
A primeira fase da sua reconstrução decorreu durante o ano de 2005, de acordo com a prévia definição de um programa de utilização que, desde logo, previu o seu posterior alargamento, de modo a conseguir-se a requalificação global do edifício e a instalação das diferentes valências para ele previstas - em termos que assegurassem o alargamento gradual da prestação de serviços à comunidade.

Voltar